APONTAMENTOS SOBRE O CONTÉUDO MÍNIMO DA DIGNIDADE HUMANA

Romário Edson da Silva Rebelo

Resumo


RESUMO

 

O presente artigo tem como objetivo analisar, a partir da teoria de Barroso, que é desenvolvida sob a perspectiva dos postulados da ética kantiana, os elementos que constituem o conteúdo mínimo, também chamado de núcleo duro, da dignidade humana, a fim de dotar esse conceito de significação que impeça seu abuso retórico. Para tanto, o presente artigo, por meio do método hermenêutico associado à técnica da documentação indireta proveniente de fonte primária e secundária, analisará, num primeiro momento, a construção histórica e filosófica, e bem assim, a natureza jurídica desse conceito, de modo a permitir uma contextualizada interpretação da dignidade humana no discurso jurídico transnacional. Tudo isso, para se concluir que a dignidade humana representa, em seu conteúdo mínimo, a humanização da pessoa de acordo com sua autonomia em vista de um bem estar coletivo.


Palavras-chave


Dignidade humana; conteúdo mínimo; teoria de Barroso; postulados da ética kantiana.

Texto completo:

PDF

Referências


BARROSO, Luís Roberto. A dignidade da pessoa humana no direito constitucional contemporâneo: a construção de um conceito jurídico à luz da jurisprudência mundial. Tradução de Humberto Laport de Mello. 1. ed. Belo Horizonte: Fórum, 2013.

__________. Judicialização, ativismo judicial e legitimidade democrática. Revista atualidades jurídicas, Brasília, n. 4, p. 1-29, jan./fev. 2009. Disponível em: . Acesso em: 12 nov. 2015.

BODART, Cristiano. A sociedade do espetáculo e a coisificação do homem. Disponível em: . Acesso em: 14 nov. 2015.

__________. Alienação. Disponível em: . Acesso em: 14 nov. 2015.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil, promulgada em 5 de outubro de 1988. Disponível em: . Acesso em: 9 nov. 2015.

__________. Supremo Tribunal Federal. [Ementa suprimida]. Acórdão na ADIN n. 4815/DF. Associação Nacional dos Editores de Livros v. Brasil. Relatora: Ministra Cármen Lúcia. 10 jun. 2015. Disponível em: . Acesso em: 21 abr. 2016.

__________. Supremo Tribunal Federal. [Ementa suprimida]. Acórdão no RE n. 201819 RG/RJ. União Brasileira de Compositores v. Arthur Rodrigues Villarinho. Relator: Ministra Ellen Gracie, substituída pelo Ministro Gilmar Mendes. 11 out. 2005. Disponível em: . Acesso em: 21 abr. 2016.

__________. Supremo Tribunal Federal. [Ementa suprimida]. Acórdão no RE n. 363.889 RG/DF. Diego Goiá Schmaltz v. Goiá Fonseca Rates. Relator: Ministro Dias Toffoli. 2 jun. 2011. Disponível em: . Acesso em: 9 nov. 2015.

Lei fluminense que regula briga de galo é inconstitucional, decide o STF. Notícias STF, Brasília, 26 maio 2011. Disponível em: . Acesso em: 11 nov. 2015.

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. Manifesto comunista. Disponível em: . Acesso em: 14 nov. 2015.

PAULO FILHO, Pedro. O Tribunal de Nuremberg. Disponível em: . Acesso em: 9 nov. 2015.

RIBEIRO, Flávia. Veja a história do judeu polonês que sobreviveu a sete campos de concentração. Guia do estudante, São Paulo, 25 abr. 2012, Disponível em: . Acesso em: 11 nov. 2015.

ROHDEN, Huberto. Filosofia contemporânea: o drama milenar do homem em busca da verdade integral. 1. ed. São Paulo: Martin Claret, 2008.

SISTEMA EUROPEU DE PROTEÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS. Tribunal Europeu dos Direitos do Homem. Decisão no caso nº 74025/01 CEDH 681. Hirst v. Reino Unido. Relator: Justice L. Wildhaber. 6 out. 2005. Disponível em: . Acesso em: 9 nov. 2015.

SOARES, Ricardo Maurício Freire. Hermenêutica e interpretação jurídica. 1. ed. São Paulo: Saraiva, 2010.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.